O título do blog tem amplo significado. Tanto o autor como o presente espaço estão em constante construção.
(Afinal, somos seres inconclusos...). O blog vem sendo construído periodicamente - como todo blog - através da postagem de textos, comentários e divagações diversas (com seu perdão pela aliteração).

sexta-feira, 10 de março de 2017

O primeiro Culto Protestante realizado no Brasil - 460 anos.

Há 460 anos era realizado o 1º Culto Protestante em nossa Pátria. Vejamos, em breves palavras, como tudo aconteceu.
Após o "descobrimento", Portugal muito demorou a se interessar pela efetiva colonização do Brasil. Some-se a isso o fato de que, face à dimensão territorial da costa, a missão de proteger a "Ilha de Vera Cruz" se constituía em algo impossível. Dessa maneira, outras nações se sentiram atraídas à execução de tal mister.
Um dos aventureiros que tiveram tal iniciativa foi Nicolas Durand de Villegaignon, militar francês que intentou implantar na América do Sul a "França Antártida". Para isso, teve pleno apoio rei Henrique II, que lhe cedeu duas naus, recursos materiais e recursos humanos para a viagem. A chegada da expedição à Guanabara aconteceu em 10 de novembro de 1555.
Uma vez estabelecidos na região, surgiram inúmeras dificuldades para os colonos. Com isso, Villegaignon solicitou à Igreja Reformada de Genebra a remessa de pastores e mais colonos cristãos, objetivando a elevação do nível moral e espiritual da colônia.
João Calvino selecionou para a missão os pastores Pierre Richier e Guillaume Chartier, visando a implantação da fé reformada entre os franceses, bem como a evangelização dos indígenas.
Os huguenotes - assim eram chamados os protestantes franceses - que acompanharam a viagem foram os seguintes: Pierre Bourdon, Matthieu Verneil, Jean du Bourdel, André Lafon, Nicolas Denis, Jean Gardien, Martin David, Nicolas Raviquet, Nicolas Carmeau, Jacques Rousseau e Jean de Léry, o escriba do grupo. Deixaram Genebra em 16 de setembro de 1556. Entre homens e mulheres vieram ao todo 290 pessoas.
Após meses de tenebrosa viagem, desembarcaram no forte Coligny dia 10 de março de 1557, quarta-feira. Realizada a recepção, reuniram-se numa pequena sala no centro da ilha, onde foi realizado um culto de ação de graças, que ficou conhecido como o primeiro culto protestante ocorrido no Brasil e, para muitos, do Continente Americano.
A sequência do culto foi a seguinte:
- Oração realizada pelo ministro Richier;
- Cântico do Salmo 5: “Dá ouvidos, Senhor, às minhas palavras”, hino integrante do Saltério Huguenote e ainda hoje presente nos hinários franceses.
- Sermão pregado pelo pastor Richier, com base no Salmo 27:4: “Uma coisa peço ao Senhor e a buscarei: que eu possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor e meditar no seu templo”.
Findo o culto, os huguenotes realizaram sua primeira refeição brasileira: farinha de mandioca, peixe moqueado e raízes assadas no borralho. Dormiram em redes, à maneira indígena.


Para pormenores sobre o que aconteceu antes e depois do acima narrado, sugiro a leitura do livro "A tragédia da Guanabara", publicado pela Editora Cultura Cristã.


Soli Deo Gloria

Alessandro Cristian

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Malafaia: a derrocada de um pastor

1999 foi o ano em que comecei a ser atraído pelo Evangelho de Cristo. Naqueles tempos em que a internet dava seus primeiros passos e ainda não existia o Youtube, era dificílimo encontrarmos pregações e palestras, os quais eu buscava com avidez face à minha vontade de me aprofundar na Palavra.
Numa de minhas peregrinações pelos canais de televisão num sábado de manhã, me deparei com um jovem senhor falando sobre Jesus de uma forma que eu nunca havia presenciado: era Silas Malafaia, em seus áureos tempos, em que não tinha tanto dinheiro mas servia a Cristo com sinceridade e amor pelos ouvintes.
A partir dali, passei a me interessar pelos materiais por ele publicados: livros, Cd's e fitas VHS. Confesso que aprendi muito com algumas daquelas palestras/pregações.
No entanto, depois de alguns anos, as coisas começaram a mudar paulatinamente. A teologia da prosperidade, outrora renegada pelo aludido pastor, começou a ser por ele tolerada mediante pequenos flertes até que, enfim, a abraçou por completo e nela se emaranhou.
Acredito que isso aconteceu no momento em que ele entendeu que poderia ficar tão milionário quanto outros pastores lobos adeptos dessa abominável teologia, que transforma o Soberano Criador em mera marionete que está à mercê dos desejos humanos, numa espécie de gênio da lâmpada sempre pronto a atender quaisquer desejos dos fiéis, ou mesmo numa versão melhorada do papai noel.
Ao mudar o foco de sua fala, mudou também o tom para com seus detratores e até mesmo para com aqueles que simplesmente discordam das suas ideias. Assim, aqueles que não compactuam com sua nova linha de pensamento, passaram a ser chamados de manés, trouxas, e similares.
Passou também a ostentar seus bens, afirmando com a boca cheia que havia adquirido um avião particular pela bagatela de 12 milhões de reais, que seu anel custou 4 mil dólares e que que seu automóvel Mercedes-Benz blindado está avaliado em 450 mil reais, dentre outros arroubos de histeria e riqueza. Logo ele, que era um pregador ferrenho contra a teologia da prosperidade... Confira aqui.
Hoje em dia, ao invés da voz apologética do evangelho a qual Silas se orgulhava de ser (e a qual gostávamos de ouvir), está chafurdado na lama, numa espécie de “topa tudo por dinheiro”, abraçando outras coisas que outrora combatia (e.g., o apostolado moderno).
O que dizer então da Bíblia de 900 reais e outras campanhas horrendas realizadas por Silas com a ajuda dos pastores hereges gringos Mike Murdock e Morris Cerullo, com a finalidade de extorquir os crentes arrecadar dinheiro?
Mas o fundo do poço veio recentemente, com o indiciamento por lavagem de dinheiro na Operação Timóteo, desencadeada pela Polícia Federal com a finalidade de desarticular um esquema de corrupção nas cobranças de royalties da exploração mineral. O nome da operação está baseado na Primeira Epístola de S. Paulo ao jovem pastor Timóteo na qual o apóstolo afirma: “Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína (I Tm 6.9).
O indiciamento se deu pelo fato de que Silas recebeu uma suposta “oferta” de 100 mil reais em uma conta bancária pessoal, proveniente de um dos escritórios investigados. Claro que deve ser levado em consideração o princípio da presunção de inocência, insculpido no inciso LVII do artigo 5º de nossa Magna Carta, segundo o qual “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Mas, convenhamos, como afirma o salmista, “um abismo chama outro abismo” (Sl 42.7). E, o primeiro abismo no qual Silas caiu é justamente o da teologia da prosperidade.
O desejo sincero de meu coração é que Silas se arrependa de seus desvios doutrinários, de sua ganância por poder, de sua ira, de sua falta de mansidão, de sua politicagem e de seu amor ao dinheiro, e se volte enquanto é tempo ao cristianismo puro e simples, do qual já foi um pregoeiro. 
Afinal, como sabemos, foi da vontade de Deus que Paulo fosse encarcerado, que Tiago fosse morto à espada, que Estevão fosse apedrejado, que João Batista fosse decapitado, que Pedro fosse crucificado de cabeça para baixo (segundo a tradição cristã) e tantos outros mártires cristãos fossem “torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados” (Hebreus 11:35-37).
Por que então seria da vontade d’Ele que Silas e todos nós fôssemos hoje milionários? 
Afinal, como disse Jesus, a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui (Lucas 12:15). A riqueza do cristão é outra.

(Para textos bíblicos sobre os perigos do amor ao dinheiro, clique aqui)

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sábado, 28 de janeiro de 2017

domingo, 30 de outubro de 2016

95 teses para a igreja brasileira hodierna (breves assertivas)

1) O justo viverá por fé.
2) Salvação, somente em Cristo.
3) Jesus Cristo é o único mediador entre Deus e os homens.
4) Sua igreja não é a arca de Noé atual. A igreja de Cristo, sim.
5) Deus nunca irá repartir sua Glória. 
6) Apóstolos, no sentido bíblico, não existem atualmente.
7) Não há base bíblica para a consagração de pastoras para o ministério.
8) Músicos da igreja são apenas os músicos da igreja. Levitas, nunca.
9) Objetos ungidos, copo d'água sobre a televisão e congêneres são apenas superstições inócuas.
10) Pastor não possui privilégio algum em detrimento da membresia. 
11) Pastor é servo de Deus e da igreja, e não patrão. 
12) Pastor deve ter vocação para tal. Pastorado não é hereditário.
13) Ungido do Senhor é Jesus Cristo.
14) Dízimo não é o padrão de contribuição para a igreja atual. Contribuições voluntárias, sim.
15) Deus não precisa do seu dinheiro.
16) Deus não cobra pra te abençoar. 
17) Palestra motivacional não é pregação da Palavra.
18) Espiritualidade não se mede por decibéis.
19) "Aleluia" e "glória" ditos mecanicamente não te aproximam de Deus.
20) As línguas bíblicas do livro de Atos eram idiomas conhecidos.
21) Anjos, na Bíblia, falam línguas humanas.
22) Rejeite a autoajuda e abrace a ajuda do Alto.
23) O movimento do cai-cai não tem base bíblica alguma.
24) De igual maneira, a "unção do riso" também não. 
25) Louvor deve ser cristocêntrico.
26) Quando o centro do louvor é o homem, e não Deus, o inimigo se diverte.
27) Cobrar pra pregar é coisa de mercenário.
28) Cobrar pra cantar é coisa de mercenário.
29) Evidência do Espírito Santo na vida do cristão é o fruto do Espírito. 
30) A Bíblia não precisa de acréscimos. 
31) Deus não precisa de popstars no púlpito. 
32) Igreja sem Jesus não é igreja.
33) Igreja sem pregação genuína da Palavra não é Igreja.
34) O culto deve ter ordem e decência.
35) Mais amor e cuidado com os necessitados, menos templos luxuosos e panelinhas.
36) Deus não habita em templos feitos por mãos de homens. Templo verdadeiro é você.
37) Culto a Deus é  culto a Deus e ponto final.
38) Deus não marca hora pra agir.
39) Deus é eterno e transcendente. Não está limitado ao espaço-tempo.
40) Não há base bíblica para culto de libertação, culto de milagres, culto da prosperidade e outros.
41) Calvino e Arminio não te salvam, tampouco suas doutrinas.
42) Toda teologia  tem suas falhas. Aproveite o melhor de cada uma delas.
43) Examine tudo, retenha o que é bom.
44) Gunnar Vingren e Daniel Berg não trouxeram o Evangelho para o Brasil; trouxeram o pentecostalismo.
45) Defender sua denominação não é o mesmo que defender o Evangelho. 
46) Há um lugar de descanso eterno para os salvos.
47) Há um lugar de sofrimento eterno para os perdidos.

48) Rol de membros da igreja não é o livro da vida.
49) Cartão de membro da igreja não é passaporte para o céu. 
50) Terno e gravata não são sinônimos de santidade.
51) O destino eterno de cada um dos homens, só quem sabe é Deus.
52) Quem convence o homem do pecado é o Espírito Santo. 
53) Igrejas não são propriedade de família. 
54) Peregrinar a Israel uma vez por ano não é necessário para a salvação. 
55) A água do rio Jordão é tão comum quanto a água de qualquer curso d'água.
56) A oração feita no monte não vale mais que a oração feita em qualquer outro lugar.
57) O dono da igreja é Jesus Cristo, e mais ninguém. 
58) Pastor é pastor, lobo é lobo.
59) O pastor quer o bem das ovelhas, os lobos querem os bens das ovelhas.
60) "Corinho de fogo" é desculpa para quem quer forró na igreja. 
61) A alegria expressa por Davi diante a arca da aliança nada tem a ver com os ministério de dança ou grupo de gestos das igrejas atuais.
62) Não se iluda com "profetas" e "profecias" de hoje. Profetas e profecias genuínas estão na Bíblia.
63) Nem todo aquele que diz "Senhor, Senhor" entrará no reino de Deus. 
64) Boas obras não levam ninguém para o céu. 
65) Cobertura espiritual, somente a de Jesus Cristo.
66) Teologia da prosperidade só é útil para seus propagadores, que de má-fé fazem fortuna, graças aos incautos.
67) Nesse sentido, o termo "pregadores da prosperidade" equivale a "prosperidade dos pregadores".
68) Pastor que se candidata a cargos políticos não tem certeza da vocação. 
69) Vivemos numa democracia. Não aceite voto de cabresto, nem coronelismo eclesiástico. 
70) Deus salva quem ele quer. Ele é Soberano.
71) Por si só, ninguém consegue parar de pecar.
72) Pela graça sois salvos, por meio da fé. E isso não vem de vós, é dom de Deus. Assim diz a Bíblia. 
73) Assim como não há infalibilidade  papal, não há infalibilidade pastoral. Seu pastor é tão falho quanto você, se não mais.
74) Assim, pastor presidente que toma decisões unilaterais, está totalmente fora do padrão neotestamentário.

75) Manda quem pode, obedece quem tem juízo não pode ser utilizado na igreja, salvo se a ordenança estiver explícita na Bíblia. 
76) O último profeta com autoridade para proferir "eis que te digo" e "assim diz o Senhor" foi João Batista. 
77) Arrotar santidade é farisaísmo.
78) Misericórdia quero, e não sacrifícios, diz a Bíblia. 
79) Sejam como o Senhor, não façam acepção de pessoas.
80) Avareza, maledicência e mentira são pecados tanto quanto aqueles de ordem sexual.
81) No exercício da disciplina eclesiástica não leve em conta o tamanho da contribuição financeira do disciplinado.
82) Relatos de pessoas que afirmam terem ido ao céu e ao inferno são  inverídicos, farsas. Duvide da sanidade e/ou boa fé daqueles que proferem tais relatos, e de editoras que publicam tais balelas.
83) Deus não é surdo.
84) Deus não é papai noel.
85) Deus não é gênio da lâmpada.
86) Pastor não é animador de auditório. 
87) Igreja não é hipermercado da fé. 
88) Púlpito não é balcão. 
89) Crente não é cliente.
90) Fé não é pensamento positivo.
91) Dizer incontáveis vezes "olhe para seu irmão e diga isso", ou "cutuque seu irmão e diga aquilo" são artifícios de quem não tem o que pregar. 

92) Toda oração deve conter "seja feita a Tua vontade". 
93) Numa oração, nunca diga "eu decreto" ou "eu determino". Deus não é empregado de ninguém.
94) Nunca teremos resposta para todas nossas questões.
95) Creia que Deus estará conosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

domingo, 21 de agosto de 2016

Santíssima Trindade: "Quem me dera ao menos uma vez, entender como só Deus ao mesmo tempo é três"...

A frase entre aspas em epígrafe, como todos sabem, faz parte da canção “Índios”, gravada em 1986 pela banda Legião Urbana em seu álbum “Dois”. A canção e o disco em questão fazem parte da adolescência de milhões de hoje jovens senhores brasileiros, dentre os quais eu me incluo. Nesse trecho da canção em apreço, consciente ou inconscientemente Renato Russo alude à Trindade, uma das doutrinas básicas do cristianismo. Conscientemente, acredito eu. Doutrina básica, mas não tão básica assim. Até porque a palavra “trindade” propriamente dita sequer aparece na Bíblia. O que não torna a doutrina antibíblica, uma vez que há abundantes textos bíblicos que a corroboram (e.g., Mt 3.16,17; Mt 28.19; Lc 1.35; Jo 3.34-36; Jo 14.16, 17; At 7.55; 2Co 13.13; Ef 4.4-6; 1Pe 1.2; Jd 20, 21; Ap 1.4,5, etc.)
Explica-se a Trindade da seguinte maneira: há um único Deus, no qual coexistem três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Essas três pessoas compartilham da mesma natureza, bem como dos mesmos atributos; logo, são um único Deus.
Acredita-se que o primeiro a usar esse termo foi Tertuliano, no segundo século de nossa Era.
Certamente por esse “quê” de mistério e difícil compreensão seu significado foi e é distorcido à exaustão por sectários, por adeptos de outras religiões, e até mesmo por cristãos. A disparidade de explicações acerca dessa doutrina é tão antiga quanto o cristianismo. Opositores à Trindade também surgiram aos montes ao logo desses dois mil anos, encabeçados por Sabélio, pai do sabelianismo (óbvio), do modalismo, do patripassianismo...
Sobre o assunto, Santo Agostinho afirmou: “Quem poderá compreender a Trindade onipotente? E quem não fala dela, ainda que não compreenda? É rara a pessoa que, ao falar da Santíssima Trindade, saiba o que diz. “Se o pudesses compreender, ele não seria Deus”. “Quando chegarmos à Tua presença, cessará o muito que dissemos, mas muito nos ficará por dizer e tu permanecerás só, tudo em todos, e então eternamente cantaremos um cântico, louvando-te em um só movimento, em ti estreitamente unidos. Senhor, único Deus, Deus Trindade, tudo o que disse de Ti nestes livros, de Ti vem. Reconheçam-no os teus, e se há algo de meu, perdoa-me e perdoem-me os teus.”
Ou seja, Agostinho, tido como o maior teólogo cristão depois do apóstolo Paulo, não compreendia a Trindade. Mas n'Ela cria.
Confesso que também não compreendo a Trindade. Mas n'Ela creio. Sim, confesso que minha compreensão é estrita, limitada, não só acerca desse tema.
Quem me dera ao menos uma vez, uma só, entender como Deus ao mesmo tempo é três. E também entender plenamente incontáveis outros assuntos: Deus, céu, inferno, alma, porvir, eternidade, ruas de ouro e mar de cristal, milênio, arrebatamento, etc, etc, etc.
Na verdade, ninguém entende. 
Se entende, não entende Deus, mas sim "um deus".
Que o Deus incompreensível nos abençoe e nos guarde. E nos dê humildade para aceitarmos que, enquanto nesse corpo, nosso conhecimento acerca do Divino é limitada. "Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido" (I Coríntios 13.12).  

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sábado, 25 de junho de 2016

O Livro da Vida

Existe um livro, em algum lugar da Eternidade, onde estão escritos os nomes dos eleitos, daqueles que estarão para sempre com o Senhor (Ou no céu, ou num lugar de delícias, ou no Paraíso... Como queira). Nas Escrituras, esse livro é chamado de Livro da Vida. 
É claro que, por se tratar de algo que está por vir, ninguém pode afirmar ao certo se é realmente um livro, no sentido literal (ops...), ou em sentido metafórico, referindo-se ao eterno propósito de Deus. Levemos em consideração também o fato de que a Bíblia é repleta de termos simbólicos.
Uma coisa é certa: os nomes dos salvos, destinados à vida eterna por meio do sangue de Cristo, estão em algum lugar, seja em um livro celestial, seja gravado no “coração” do Pai, desde antes da fundação do mundo. De igual maneira, àqueles que se perderão, a Bíblia se refere como os que não estão com o nome escrito no livro da vida.
Alguns textos bíblicos corroboram essa posição. Vejamos alguns deles:
A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá.” (Apocalipse 17:8)
E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.” (Apocalipse 20:15)
E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” (Apocalipse 21:27)
E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.” (Apocalipse 13:8)

Escrevendo aos Filipenses, Paulo parece ratificar a ideia de que os nomes dos eleitos de Deus estão gravados no livro em comento:
E peço-te também a ti, meu verdadeiro companheiro, que ajudes essas mulheres que trabalharam comigo no evangelho, e com Clemente, e com os outros cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida.” (Filipenses 4:3)

Ou seja, pelos textos bíblicos aqui apresentados, claro está que os salvos têm o nome escrito no livro da vida desde a fundação do mundo. Em outras palavras, desde que o mundo foi fundado os nomes dos eleitos estão consignados em tal livro. Ou antes disso, uma vez que Deus "[...] nos elegeu nele antes da fundação do mundo [...]" (Efésios 1.4).
No entanto, nem todos creem dessa maneira. Alguns, aliás, acreditam que o nome de alguém pode ser escrito, apagado e reescrito no livro em questão quantas vezes forem necessárias. Por isso, é comum ouvirmos orações do tipo:
Senhor, escreve o nome dele (a) no livro da vida”
[quando alguém “se decide” por seguir a Cristo, como costumam dizer]
Ou
Senhor, escreve novamente o nome dele (a) no livro da vida”
[quando alguém que se encontrava afastado retorna para Cristo]. 

Os versículos citados pelos defensores dessa posição são principalmente os seguintes:
Sejam riscados do livro dos vivos, e não sejam inscritos com os justos.” (Salmos 69:28)
Note que aqui o salmista utiliza o termo “sejam riscados do livro dos vivos” como um eufemismo para “sejam exterminados”, ou “sejam mortos”. O versículo não diz respeito à vida eterna.

O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.” (Apocalipse 3:5)
Aqui, Jesus não enfatiza a possibilidade de se apagar o nome de alguém que esteja no livro da vida. Antes, assegura que o rol dos vencedores – conhecidos por Deus desde antes da fundação do mundo – ali está gravado de maneira inexorável.


"Assim tornou-se Moisés ao SENHOR, e disse: Ora, este povo cometeu grande pecado fazendo para si deuses de ouro. Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito. Então disse o SENHOR a Moisés: Aquele que pecar contra mim, a este riscarei do meu livro." (Êxodo 32.31-33)
Em determinada ocasião, Paulo teve o mesmo sentimento que Moisés (Romanos 9.3). Aqui está patente que “nem todos os que são de Israel são israelitas” (Romanos 9.6).
Entendemos que a fala de Moisés pode ser parafraseada da seguinte maneira: "Senhor, se for tirar a vida de alguém, que seja a minha". O Pai, por sua vez, apresenta Sua posição, ratificada posteriormente em outras ocasiões através de Sua Palavra: "[...] a alma que pecar, essa morrerá." (Ezequiel 18.4)
Ademais, Moisés não poderia fazer expiação de pecados dos quais não era culpado. Só Deus poderia fazê-lo. A atitude de Moisés aponta para Cristo, que intercede por nós junto ao Pai.

Em suma... 
Meu desejo sincero é de que o meu e o seu nome estejam escritos no Livro da Vida.
Deus te abençoe e te guarde.

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sábado, 30 de abril de 2016

Bono Vox lança filme pautado nos Salmos

Bono Vox, vocalista do U2, lançou um filme sobre os Salmos em parceria com Eugene Peterson, escritor e pastor presbiteriano aposentado. Os dois se conheceram pessoalmente em 2010 durante uma turnê do U2 e, desde então, a ideia vinha sendo fomentada. Eclodiu em abril de 2015, embora o filme tenha sido lançado somente um ano depois.
O média-metragem foi batizado de “Bono e Eugene Peterson: Os Salmos”, e foi lançado em 26 de abril de 2016, terça-feira. Quanto ao teor da película, trata-se de um diálogo entre Bono e Peterson, cujo tema central é a fé, pautada no livro dos Salmos e na recente amizade entre ambos.
Bono, que sempre deixou patente sua simpatia ao cristianismo, eventualmente cita trechos da Bíblia “A Mensagem” nas apresentações do U2. Também já afirmou que, quando seu pai se encontrava no leito de morte, lia para ele trechos dos Salmos da referida tradução.
“A Mensagem” é uma paráfrase do Livro Santo adaptada por Peterson, uma tradução da Bíblia conhecida (e criticada por muitos) por ser mais casual, com linguagem contemporânea.
O documentário foi filmado na casa de Peterson, em Montana, e na International Arts Movement, galeria situada em Nova York. Foi concebido sob iniciativa do Fuller Seminary’s Brehm Center for Worship, Theology and the Arts. Fuller é um seminário fundado em 1940.
"Nossa esperança é que, após assistirem ao filme, as pessoas se sintam curiosas e inspiradas a lerem os Salmos, e descubram a importância e a preciosidade da poesia contida nas Sagradas Escrituras, a qual conquistou e inspirou Bono e Eugene", afirmou David Taylor, produtor do filme e diretor do Brehm Texas, que é uma iniciativa do Centro Brehm do Seminário Fuller. 
Embora acredite que uma ampla variedade de pessoas vão demonstrar interesse no filme, Taylor, que entrevista Bono e Peterson no filme, disse que os produtores acreditam que "ele irá conectar fãs do U2, fãs do escritor Eugene e sua igreja e líderes leigos, artistas, líderes de louvor, e as pessoas envolvidas na intersecção entre fé e cultura".
(Informações extraídas do New Boston Post. Imagem idem.)

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Adão e Eva eram analfabetos

Sim, é isso mesmo o que você leu: Adão e Eva eram analfabetos. Não sabiam ler, tampouco escrever. Apesar de acreditar que Deus criou o homem com plena capacidade cognitiva, entendo que o primeiro casal não possuía as mínimas noções de lecto-escrita. Afinal, como sabemos, a escrita só foi elaborada há cerca de 4000 anos na antiga Mesopotâmia, onde os sumérios desenvolveram a escrita cuneiforme.
Concomitante aos sumérios, os egípcios de igual maneira desenvolveram um sistema de escrita que se subdividia em demótica, que era uma escrita mais simples, e a hieroglífica. Essa última é bem mais complexa, constituída por desenhos e símbolos.
Não esqueçamos também da milenar escrita ideográfica chinesa que, assim como a escrita cuneiforme sumeriana, é hoje denominada escrita logográfica. Ou seja, cada palavra (logos) possui um símbolo (graphos) como representação. 
De maneira geral, a escrita surgiu a partir de representações que foram sendo simplificadas com o passar dos séculos, até assumirem formas com as quais hoje estamos familiarizados. Inicialmente se fazia o desenho de uma cena, situação ou objeto, simbolizando a ideia que se queria transmitir. Mais tarde, se passou a designar o abstrato e as ações através de símbolos específicos. Por fim, se buscou representar graficamente as palavras na mesma ordem e forma em que apareciam na língua falada, o que marca o surgimento da escrita propriamente dita.
Antes disso, o homem se comunicava, transmitia mensagens e registrava sua história através de desenhos feitos nas rochas, o que hoje chamamos de pintura rupestre. No entanto, tais representações não se constituíam ainda numa espécie de escrita, uma vez que não havia uma padronização ou organização das representações gráficas.
Ao longo das últimas décadas, a definição de analfabetismo vem sofrendo revisões, como reflexo das mudanças da sociedade, dentre outros fatores.
Em 1958, a UNESCO definia como alfabetizada uma pessoa capaz de ler e escrever um enunciado simples, relacionado a sua vida diária. Vinte anos depois, a UNESCO sugeriu a adoção dos conceitos de analfabetismo e alfabetismo funcional. Portanto, é considerada alfabetizada funcionalmente a pessoa capaz de utilizar a leitura e escrita e habilidades matemáticas para fazer frente às demandas de seu contexto social e utilizá-las para continuar aprendendo e se desenvolvendo ao longo da vida.
Considerando que a escrita só teve origem séculos depois da criação do homem...
E considerando o conceito de analfabetismo acima mencionado... claro está que Adão e Eva eram analfabetos.
No entanto, a causa da Queda independe do fato de que Adão e Eva não sabiam ler ou escrever, uma vez que a escrita ainda não era necessária naquela ocasião... E a ordem de Deus, dada pessoalmente a Adão foi clara: "De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás" (Gênesis 2.16, 17). A causa foi, pura e simplesmente, a desobediência do homem.
É muito bom ler, escrever, estudar, raciocinar, buscar, meditar. A verdade liberta, o conhecimento idem. E o conhecimento da Verdade, acima de tudo (João 8.32).
Porém, não nos esqueçamos que não são nossos diplomas, nosso grau de escolaridade ou nossos cursos de pós-graduação que nos conduzirão à vida eterna. Mas, unicamente, nossa obediência à voz de Deus.
Que o Pai te abençoe e te ilumine.
Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sábado, 2 de abril de 2016

Batman Vs Superman: breve análise religiosa e filosófica

Hesitei um pouco para escrever essas breves linhas sobre o recém-lançado filme Batman vs Superman – A Origem da Justiça. Isso porque a tentação de disseminar spoilers é grande, mas não quero fazê-lo. Logo, decidi por citar, em linhas gerais, algumas ideias presentes na película ora em comento, sobretudo quanto aos seus aspectos religiosos e filosóficos.
Inicialmente, apesar de já ter sido algo bastante repisado ao longo das décadas, lembremos que Superman pode ser considerado como uma tipificação do Deus cristão ou, mais especificamente, de Jesus Cristo. Vejamos:

1) Filho unigênito;
2) Enviado à Terra por seu pai;
3) Seus poderes se assemelham aos atributos incomunicáveis de Deus:
a) onipresença – sua super velocidade pode levá-lo de um extremo a outro do mundo em fração de segundos;
b) onipotência: poder praticamente ilimitado, capaz até mesmo de fazer a Terra girar ao contrário de maneira a retroceder o tempo, como o fez em um de seus filmes antigos com o objetivo de trazer Louis Lane de volta à vida;
c) onisciência: graças à sua visão de raio x, bem como à sua percepção do mundo e audição apurada.

Quanto ao Batman, o Homem-Morcego, o Cavaleiro das Trevas, não podemos compará-lo a um “deus”, visto que sempre esteve bem patente se tratar de um ser humano comum que, graças a um árduo treinamento, anos de estudo e uma fortuna que propiciou a criação e desenvolvimento de equipamentos e veículos especiais, tornou-se um dos super-heróis mais famosos do mundo (pensando bem, árduo treinamento e anos de estudo não são coisa pra um ser humano comum. Tampouco a administração consciente de uma fortuna).

No que diz respeito a algumas ideias do filme:                               
1) Existe um Deus, existem falsos deuses e existem pseudo-deuses
Quanto ao primeiro, “O Senhor nosso Deus é o único Senhor” (Deuteronômio 6.4).  E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17.3), o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém.(Romanos 9.5)
Quanto aos segundos, são citados aos montes na Bíblia: Baal em suas variadas denominações, Astarote (Astarte ou Azerá), Dagom, Moloque, Quemos, Postes-ídolo, o bezerro de ouro, etc. Fato é que o homem é especialista em criar para si falsos deuses, entronizando-os em seu coração e colocando-os no lugar que deveria pertencer somente ao Deus Verdadeiro. Acerca deles, a Bíblia é taxativa: Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém.(I João 5.21)
Já no que diz respeito aos pseudo-deuses, sobejam em nossa sociedade e, de maneira mais específica, nas igrejas ao redor do mundo. São aqueles que se colocam num pedestal e querem ser adorados pela membresia como os "novos messias". São os típicos pastores-coronéis que, semelhantemente ao tubarão, vivem rodeados por seus peixes-piloto, numa vergonhosa simbiose. Acreditam que sua palavra tem peso de lei, por isso a empurra goela abaixo nos fiéis. E ai daquele que discordar: é taxado de herege, rebelde, carnal e outros adjetivos menos suaves. Em arroubos de histeria, confundem autoridade com autoritarismo, querendo impor sua vontade “no grito”. São hábeis na arte de distorcer textos bíblicos em benefício próprio.

2) A sociedade está imersa no mal. “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 9.3). “Não há um justo, nem um sequer” (Romanos 3.10).
Nesse sentido, citemos também a Depravação Total, um dos cinco pontos do Calvinismo. Em síntese, “a depravação total significa que nossa rebelião contra Deus é total; tudo que fazemos nesta rebelião é pecaminoso; nossa incapacidade de submeter-nos a Deus ou de reformar a nós mesmos é total, e somos, portanto, merecedores de punição eterna” ¹.

3) “Deus está morto”. Ideia presente no filme, é também uma das assertivas mais conhecidas do filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900). É fato que por vezes essa frase tem sido mal interpretada, uma vez que, ao observarmos o contexto da citação em tela, percebemos que Nietzsche dá ênfase a um acontecimento cultural, ao afirmar que “E quem o matou fomos nós”.
No entanto, a sociedade hodierna parece ter adotado essa linha de pensamento. Os homens agem como se Deus estivesse morto. Como se fôssemos constituídos apenas pelo corpo, pela parte material, sem nos preocuparmos com o destino de nossa alma...
Nos esquecemos que Deus, proclamado morto mais por nossos atos cotidianos do que pelo aludido filósofo... É Eterno, sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder, é o Rei dos reis e Senhor dos senhores... E está conosco todos os dias, até a consumação dos séculos.
Mas... “Disse o tolo no seu coração: Não há Deus [...].” (Salmo 53.1).

4) Um argumento antiquíssimo utilizado pelo ateísmo: Se Deus é Todo-Poderoso, Ele não pode ser tão bom, e se Ele é tão bom Ele não pode ser Todo-Poderoso".

5) “Deus está aos meus pés”. Frase proferida por Lex Luthor, é um pensamento presente em algumas vertentes religiosas da atualidade, ora de maneira implícita, ora de maneira explícita, onde Deus é visto como um mero serviçal que deve estar sempre pronto a satisfazer as vontades e necessidades do homem.

Por fim, mais duas nuances messiânicas de Superman:
1) Em determinado momento, O Homem de Aço interrompe sua batalha contra o Cavaleiro das Trevas para salvar uma vítima de um incêndio.  
“Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.
Que vos parece? Se algum homem tiver cem ovelhas, e uma delas se desgarrar, não irá pelos montes, deixando as noventa e nove, em busca da que se desgarrou? E, se porventura achá-la, em verdade vos digo que maior prazer tem por aquela do que pelas noventa e nove que se não desgarraram. Assim, também, não é vontade de vosso Pai, que está nos céus, que um destes pequeninos se perca.”
(Mateus 18.11-14)

2) Sua ressurreição (ou você acredita mesmo que ele vai permanecer sepultado?).

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

(1) PIPER, John. Cinco pontos: Em direção a uma experiência mais profunda da graça de Deus. 1. Ed. São José dos Campos, SP: Fiel, 2014. 

Imagens extraídas da internet.

sábado, 26 de março de 2016

"Malhe" o Judas que está dentro de você!


No chamado “Sábado de Aleluia”, ou seja, no sábado que antecede a Páscoa, ocorre em comunidades de todo o mundo a “Malhação de Judas”, tradição herdada dos colonizadores espanhóis e portugueses. Tal tradição consiste em “espancar” um boneco do tamanho natural de um homem e, por fim, atear fogo. Esse ritual, por assim dizer, simboliza a morte de Judas Iscariotes. Humanamente falando, muitos consideram Judas o maior vilão da história.
Os Evangelhos nos demonstram seu caráter ambicioso em demasia, o qual culminou com a traição ao Mestre, em troca de trinta dinheiros (ou denários, moeda da época). Somente a título de curiosidade:
- Judas valorizou dez vezes mais uma libra (cerca de 330 gramas) de ungüento de nardo do que a vida do Mestre, visto que, no momento em que Maria, irmã de Lázaro, ungiu os pés de Jesus com o referido perfume disparou: “Por que não se vendeu este ungüento por trezentos dinheiros, e não se deu aos pobres? Ora, ele disse isso não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava.” (João 12.5,6). Perceba: o perfume para ele valia trezentos dinheiros; Jesus, apenas trinta. 
- Trinta moedas era o valor correspondente ao preço de um escravo. Ou seja, Judas trocou sua libertação e a consequente salvação eterna pelo preço de um escravo.   
É claro que até mesmo essa traição fazia parte do plano divino para a salvação da humanidade (e.g., Sl 41.9; Zc 11.13; Lc 9.22; Jo 17.12; e outros), mas observemos apenas no âmbito material. 
Quantas vezes olhamos a vida desse homem e o condenamos por essa traição e pelo preço por ele cobrado?
Trazendo para os nossos dias, quantas vezes não julgamos as falhas de nossos irmãos, ao mesmo tempo em que cometemos deslizes muito maiores? Ou como Jesus disse, “... como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.” (Lc 6.42).  É sempre assim: não tardamos em apontar e condenar o erro alheio; no entanto, fazemos vista grossa para nossos próprios erros, julgando-nos “os perfeitos”.
Quantas vezes temos sido tão traidores quanto Judas (ou até mais)?. E o que é pior: somos “comprados” e levados a trair Jesus por um preço bem menor que as trinta moedas.
Não convém nem mesmo mencionar o preço pelo qual O traímos. Nem ficar elencando os tipos de pecados que cometemos. Mas pense consigo mesmo: em troca de quê você tem traído Jesus?
Hoje, ao invés de malhar um Judas de pano, malhe o Judas que está dentro de você. Que por tantas vezes reduz o Senhor a nada e o substitui por mera efemeridade.
Bem sabemos, até que o personagem bíblico ora em comento buscou arrependimento, mas conseguiu apenas um mero remorso. Não sinta remorso por cometer imperfeições, falhas ou faltas. Arrependa-se. O primeiro pode levar à morte (espiritualmente). Já o segundo, quando genuíno, leva ao perdão dos pecados e, por conseguinte, à salvação eterna (Lc 3.3.; At 2.38; At 3.19; At 5.31; 2 Co 7.10).
Que Deus nos abençoe e nos ajude.

Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian

sexta-feira, 25 de março de 2016

Pormenores históricos e clínicos da morte de Jesus

O chicote que os soldados romanos usaram sobre Jesus tinha pequenas bolas de ferro e pedaços afiados de ossos de carneiro amarrados nele. Jesus é despido, e suas mãos são presas em um tronco vertical. Suas costas, nádegas e pernas são chicoteadas por um soldado ou por dois em posições alternadas. Os soldados insultam sua vítima. Conforme atingem repetidamente as costas de Jesus com toda a força, as bolas de ferro causam contusões graves, e os ossos de carneiro cortam a pele e os tecidos. À medida que o açoitamento continua, as lacerações atingem os músculos esqueléticos por baixo da pele e produzem tiras de carne ensangüentada. A dor e a perda de sangue antecipam o choque circulatório.

Quando é percebido, pelo centurião encarregado, que Jesus está prestes a morrer, a tortura é finalmente interrompida. O Jesus quase desmaiado é então solto e cai no piso de pedra, que está molhado com seu próprio sangue. Os soldados romanos vêem muita graça na afirmação desse judeu provinciano que afirma ser ele um rei. Jogam uma túnica sobre seus ombros e colocam uma vara em sua mão, como se fosse um cetro. Ele precisa de uma coroa para fazer sua imitação ser completa. Um pequeno feixe de galhos flexíveis cobertos de espinhos é montado no formato de uma coroa e é pressionado em seu escalpo. Mais uma vez, acontece um grande sangramento (o escalpo é uma das áreas mais vascularizadas do corpo). Depois de zombar dele e de atingi-lo na face, os soldados tiram a vara de sua mão e batem com ela na cabeça de Jesus, fazendo os espinhos penetrarem ainda mais na pele.

Finalmente, quando já estão cansados de seu esporte sádico, o manto é retirado de suas costas. Ele já se grudou às roupas ensangüentadas e ao soro das feridas, e sua remoção — do mesmo modo que a remoção descuidada de uma bandagem cirúrgica — provoca uma dor excruciante, quase como se estivesse sendo chicoteado de novo. As feridas começam a sangrar mais uma vez. Em deferência ao costume judaico, os romanos devolvem suas roupas. A pesada viga horizontal da cruz é presa aos seus ombros, e a procissão do Cristo condenado, dos dois ladrões e dos responsáveis pela execução prossegue pela Via Dolorosa. Apesar de seus esforços para caminhar ereto, o peso da pesada travessa de madeira, juntamente com o choque produzido pela enorme perda de sangue, é muito para ele. Ele tropeça e cai. A madeira rústica da travessa provoca um tipo de entalhe na pele lacerada e nos músculos dos ombros. Ele tenta se levantar, mas os músculos humanos foram exigidos além do que podem suportar. O centurião, ansioso para prosseguir com a crucificação, escolhe um observador robusto do norte da África, chamado Simão de Cirene, para carregar a cruz. Jesus o segue, ainda sangrando e suando o suor frio e pegajoso do choque.

A jornada de cerca de 600 metros entre a fortaleza de Antônia e o Gólgota é finalmente completada. As roupas de Jesus são mais uma vez tiradas, restando-lhe uma tira nos quadris, permitida aos judeus. A crucificação começa. Uma espécie de analgésico leve — uma mistura de vinho com mirra — é oferecida a Jesus. Ele se recusa a bebê-la. Simão recebe a ordem de colocar a travessa da cruz no chão, e Jesus é rapidamente jogado de costas, tendo os ombros contra a madeira. O legionário procura a depressão na parte anterior do pulso. Ele introduz um prego de ferro pesado e quadrado por entre o pulso, pregando-o profundamente na madeira. Rapidamente, ele vai para o outro lado e repete a ação, sendo cuidadoso para não deixar os braços muito apertados, mas permitindo alguma flexibilidade e movimento. A travessa vertical é então erguida, e o título "Jesus de Nazaré, rei dos judeus" é pregado na parte superior.

Jesus, a vítima, está agora crucificado. Conforme ele verga lentamente para baixo com mais peso sobre os pregos nos pulsos, uma terrível e excruciante dor é sentida nos dedos, passando pelos braços e vindo explodir no cérebro — os pregos nos pulsos estão fazendo pressão nos nervos medianos. Conforme tenta se empurrar para cima a fim de evitar o prolongamento desse tormento, ele coloca todo o seu peso nos pregos que seguram seus pés. Mais uma vez, é sentida uma profunda agonia por causa dos pregos cortando os nervos entre os metatarsos em seus pés. Nesse momento, acontece outro fenômeno. Conforme os braços se fatigam, grandes ondas de cãibras passam pelos músculos, provocando uma profunda e contínua dor latejante. Juntamente com essas cãibras, vem a incapacidade de se empurrar para cima. Pendurado pelos braços, os músculos peitorais são paralisados, e os músculos intercostais não conseguem funcionar. O ar consegue entrar nos pulmões, mas não consegue ser expelido. Jesus para para se levantar a fim de poder ter um curto período de respiração. Desse modo, o dióxido de carbono diminui em seus pulmões e na corrente sanguínea, e as cãibras diminuem parcialmente. De maneira espasmódica, ele é capaz de se empurrar para cima para exalar e inalar o oxigênio que lhe pode prolongar a vida. É sem dúvida durante esses períodos que ele profere as sete frases curtas que estão registradas.

É nesse momento que tem início as horas de dor ilimitada, ciclos de cãibras e torções, a asfixia parcial, a dor abrasadora à medida que os tecidos são rasgados em suas costas dilaceradas conforme ele se move para cima e para baixo contra a viga bruta da cruz. Então, começa outra agonia. Uma dor profunda e esmagadora no peito à medida que o pericárdio lentamente se enche de soro e começa a comprimir o coração. Está quase no fim — a perda de fluidos nos tecidos alcançou um nível crítico; o coração comprimido está lutando para bombear sangue grosso, pesado e vagaroso nos tecidos; os pulmões torturados estão fazendo um esforço frenético para arfar pequenas golfadas de ar. Os tecidos notadamente desidratados enviam um dilúvio de estímulos ao cérebro. Sua missão de expiação se completou. Finalmente, ele pode permitir que seu corpo morra. Com um último surto de força, ele mais uma vez pressiona seus pés pregados contra os cravos, fortalece suas pernas, respira fundo e profere seu sétimo e último clamor:

"Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito".

Jesus passou por tudo isso para que você e eu pudéssemos ser reconciliados com ele, para que você e eu pudéssemos ser salvos de nossos pecados quando declaramos Pai, nas tuas mãos entrego a minha vida.  

(Trecho do excelente livro "Não tenho fé suficiente para ser ateu", de Norman Geisler e Frank Turek, publicado pela Editora Vida)
Soli Deo Gloria
Alessandro Cristian