O título do blog tem amplo significado. Tanto o autor como o presente espaço estão em constante construção.
(Afinal, somos seres inconclusos...). O blog vem sendo construído periodicamente - como todo blog - através da postagem de textos, comentários e divagações diversas (com seu perdão pela aliteração).

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Cortador, migrador, devorador e destruidor? Não podem estar falando sério...

Há algum tempo estou ensaiando para escrever esse texto, pois sei que é polêmico e fere um ensino errôneo que durante décadas tem sido passado de geração para geração nas igrejas. Não dá mais para protelar.
Prezados, sinceramente, não dá pra entender como alguém que se diz liberto por Cristo e, por conseguinte, livre da maldição da lei, ao mesmo tempo afirmar que aquele que não é dizimista, nos moldes do texto contido no capítulo 3 do livro do profeta Malaquias, é amaldiçoado.
Não dá para entender como alguém com um mínimo de discernimento, conhecimento bíblico e histórico pode acreditar e pregar usando os termos “cortador, migrador e devorador” totalmente fora do contexto, querendo aplicar um texto do Antigo Testamento como se tivesse um peso de decreto divino à igreja.

Mas o que são afinal de contas, à luz da Bíblia, esses nomes que causam tanto medo nos cristão incautos que frequentemente são submetidos a pressão psicológica com a menção dos mesmos? Simples. Quando a Bíblia diz “E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra” (Malaquias 3.11), em lugar de “devorador” leia-se como sinônimo a palavra “gafanhoto”.

E o cortador e o migrador, o que são? Também são gafanhotos. Isso fica claro após a leitura de Joel 1.4 (Almeida Revista e Atualizada): “O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o gafanhoto migrador; o que deixou o migrador, comeu-o o gafanhoto devorador; o que deixou o devorador, comeu-o o gafanhoto destruidor”.
Na ocasião, resumidamente, Judá havia acabado de ser devastada por uma praga de gafanhotos e o profeta Joel, inspirado pelo Espírito Santo exorta o povo a se voltar a Deus, em arrependimento, pois o juízo era iminente.
Mas aí os camaradas querem espiritualizar e afirmam que a nomenclatura supramencionada trata de classes de espíritos malignos que trabalham em desfavor daquele que não é dizimista. Alguns vão ainda mais longe e afirmam que é uma classe de demônios que, para estar imune, não adianta orar, jejuar, santificar a vida... Nada disso resolve. “Você só estará livre do devorador, do cortador e do migrador”, afirmam, “a partir do momento em que entregar seu dízimo”. Em uma breve navegação na web fiquei espantado com a imaginação dos "pastores" ao escrever sobre o tema. Eis o título de alguns artigos: "Os demônios gafanhotos", "Os exterminadores de riquezas", "Quebra da maldição dos gafanhotos", "Os gafanhotos do inferno" (!!??!!??), etc.
Esse dualismo, que coloca forças opostas no mesmo patamar que o Bem Supremo, acaba por negar: 1) a eficácia do sacrifício salvífico de Cristo; 2) a necessidade de constante oração e jejum; e 3) a necessidade de vigilância e santificação. Afinal, segundo se apregoa, só a entrega do dízimo pode proteger seu celeiro e (pasmem!) sua saúde. Tal doutrina espúria traz em seu bojo afirmações ameaçadoras, do tipo: “O dinheiro que você não entregar como dízimo na igreja acaba entregando na farmácia!”.
O que dizer então da máxima estampada nas paredes de incontáveis igrejas ao redor do mundo: “Dizimista fiel tem crédito no céu”.
Dessa forma, Deus acaba sendo tratado como um ser mitológico cuja ira, para ser aplacada, necessita de dinheiro, como alguns deuses pagãos para quem são atiradas moedas visando à proteção contra os males ou à realização de pedidos.
Definitivamente, Deus não está nem um pouco interessado em seu dinheiro, mas sim com a intenção de seu coração. Com as reais motivações que o levam a entregar a décima parte de seus proventos e a ofertar na igreja. Deus não está preocupado se você entrega pouco ou muito (exemplo clássico observa-se no texto de Lucas 21.1-4, sobre a viúva pobre), mas com a disposição de seu íntimo durante a entrega. Se estamos de fato preocupados com o progresso de Sua obra na Terra ou se contribuímos por obrigação, visando unicamente a retribuição divina. Se o meu e o seu dízimo tem sido dado em reconhecimento ao senhorio de Cristo sobre todas as áreas de nossa vida, inclusive de nossas finanças, ou se o fazemos como se quitando apenas mais um carnê mensal.

Qual é então o padrão do Novo Testamento para contribuição financeira? “Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria” (II Coríntios 9.6). Quer dar mais, dê. Sim, Deus ama ao que dá com alegria.

Quer dar menos? Não vai perder a salvação por isso, no entanto lembre-se que, se assim o fizer, estará implícita com sua atitude: 1) sua dúvida se Deus é ou não poderoso para suprir suas necessidades; e 2) sua despreocupação e negligência para com a obra.

“Ah, mas Mateus 23.23 fica no Novo Testamento e ali Jesus falou sobre o dízimo”, poderão afirmar alguns, como eu também já o fiz. Sim, no entanto:

1º) Embora o texto em apreço esteja registrado no Novo Testamento, Jesus dirigiu tais palavras aos judeus, que deviam cumprir a Lei. O Mestre ainda não havia sido crucificado, sepultado, e por isso (lógico) não havia ainda ressuscitado. Dessa maneira, claro está que não se vivia ainda na Dispensação da Graça, mas da Lei.

2º) A ênfase não está no dízimo em si, mas no desprezo ao “mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé”.
É fato que a Carta aos Hebreus também traz algumas vezes a palavra dízimo, mas sempre referenciando o “sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei)” (Hebreus 7.11), que não se aplica diretamente à igreja. Não é a intenção do escritor da epístola dissecar a doutrina veterotestamentária dos dízimos, mas sim expor a superioridade de Cristo.
Bom, por hora é só.
Agora é esperar as pedradas dos “teólogos” e “doutores da lei” presentes nas sinagogas malaquianas por muitos chamadas de igrejas...
PS: Sou dizimista. Por amor à obra do Senhor, e não por medo do "migrador, devorador e cortador".

Soli Deo Gloria

Alessandro Cristian (militar, graduado em Pedagogia, pós-graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional, pós-graduando em Estudos Teológicos, presbítero e incomodado com as distorções da Palavra e com as aberrações que andam sendo feitas em Nome de Deus)

31 comentários:

  1. É Alessandro, já ouvi muito estas "pérolas" que você citou em seu texto. Realmente, o que é dito, geralmente impõe medo aos fiéis, que só se sentem confortáveis aplacando o seu deus com as ofertas monetárias...

    Oferta deve ser feita com o coração em Cristo, e não no bolso ou com medo.

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Dessart!
    Deus abençoe sua vida.
    Tenha uma excelente semana, em nome de Jesus!

    ResponderExcluir
  3. A Paz de Cristo.
    Caro Alessandro,desculpe-me.No entanto dizer que o pastor Silas Malafaia é seguidor de Mamom e que o mesmo não fala de Jesus é um tanto pequeno seu argumento.
    Aliás o que é ser seguidor de Mamom.Seria pedir dzímos, ofertas, patrocínios, gostar de está em evidência,gostar do poder, praticar o nepotismo, dominar pessoas;manipular situações e pessoas, viver folgadamente as custas das ovelhas, usar o dom de Cristo para befício próprio.Se for assim O pastor Malafaia tem muitos discípulos ou é mais um no meio de tantos.
    Outrossim, este seu artigo me passa a impressão de que dizímo não é dever e que dez porcento pode ser cinco porcento, dois porcento...Não ficou muito claro para mim.
    Cordiais saudações em Cristo Jesus.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Alexandre, a Paz de Cristo. Inicialmente, muito obrigado pela visita e pelo comentário.
    Cabe-me, no entanto, fazer algumas considerações.
    1) No meu comentário postado acerca do Pr Silas em outro blog, o qual gerou seu descontentamento, não disse em momento algum que o aludido pastor não fala de Jesus, mas sim que sua ênfase atualmente não é Jesus. Releia o comentário com atenção.
    2) Seguidor de mamon, figuradamente falando (é claro. Acredito que você tenha entendido), é todo aquele que enfatiza ao extremo as contribuições financeiras e condiciona as bênçãos de Deus a tais contribuições.
    3) Quanto à impressão que você teve, no que diz respeito ao dízimo não ser dever para a igreja, é exatamente isso que eu quis dizer. Hoje, devemos contribuir por amor à Deus e à sua obra, e não por medo do "migrador, devorador e cortador". Afinal, somos Igreja. Não estamos debaixo da Lei.
    4) Ainda admiro o Pr Silas. Mas é inegável que ele tem pendido para a famigerada teologia da prosperidade. Infelizmente.
    5) Uma pena não ter ficado claro pra você. A maioria entendeu. Graças a Deus.
    Que Deus abençoe sua vida.

    ResponderExcluir
  5. aloha! Tudo bem? Obrigado por visitar meu blog, cara! O pr. Ricardo foi meu pastor durante um tempo, bons tempos. As vezes tocávamos juntos na igreja, ele na batera, eu no teclado e mais uma galera. Era muito legal!
    Já me tornei seguidor do seu blog, e terei prazer em vir aqui ler seus posts (desde que vc retribua e leia e comente os meus também,. rsrsrs).

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Valeu, Daniel!
    Estou seguindo seu blog também. Vai ser bacana "trocar figurinhas" contigo rsrs.
    Que o Pai Eterno te abençoe.

    ResponderExcluir
  7. Alessandro...li seu artigo sobre dízimo.
    Entendo que a ordem de Deus é simples:
    - para que não falte mantimento na casa do Senhor.
    E isso é necessário SE vivemos em comunhão(?).
    Não faltar mantimento é além de proporcionar o serviço no templo, socorrer (manter) os que estão passando por situações quando sua colheita fora abalada. Tão logo este se levante, passará a dar a sua parte e outros tantos serão alcançados. Material e espiritualmente.
    Eu cheguei a conclusão de que nem impostos seriam necessários(esse é o propósito de Deus), por isso o nome IMPOSTO.Deus não impõe nada, o opositor sim!
    Mas para sermos francos e sem muita conversa teológica(outra invenção humana para tornar uns mais pseudo sábios do que outros)o negócio é o seguinte:
    - Os Judas estão de olho é na sua carteira!
    Pastores dy araque(essa é antiga hein)perceberam um filão de se locupletarem financeiramente.
    VocÊ acha que o camarada quer ralar num trabalho árduo??? Investir em risco?
    Existem homens de Deus e até movimentam grandes valores na Obra, mas outros tantos apenas estão fazendo seu NEGÓCIO.
    E o dízimo é o objeto de desejo.
    Ofertar com Amor, como a viúva é ENTREGAR, crendo ....Eu demorei prá entender isso.
    Mas, os caras mentem mesmo!!!!
    Não sirva de estímulo prá ninguém deixar de dizímar, mas não faça apenas por pressão.
    Parabéns e a cúpula das igrejas não vão tratar desse assunto, pois são os primeiros que temem perder a boquinha.
    Sou dizimista e convicto em JESUS CRISTO!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pela visita, prezado irmão.
    Estou visitando seu blog... Volte mais vezes.
    Deus abençoe sua vida.

    ResponderExcluir
  9. Cb, eu gostei mto d ter encontrado o blog no orkut (através do orkut do kogus)
    e sobre o dízimo, expressaste c/ uma exatidão q me surpreendeu a ideia q eu mesma tinha do assunto e q, é claro, c/ a minha limitada capacidade d expressão não tinha ainda conseguido por em palavras.
    ganhaste mais uma leitora (se eu lembrar d passar aqui as vezes xD)

    ResponderExcluir
  10. Olá, Leilane...
    Uma honra tê-la como leitora.
    Caso vc não se lembre de passar por aqui mais vezes, não se preocupe: eu te lembro :)
    Deus abençoe sua vida.

    ResponderExcluir
  11. Deixem de tanta incredulidade e convertam-se a JESUS CRISTO,usem este espaço para pregar a palavra do SENHOR e nao para divergencias.Todos darao conta diante do SENHOR.

    DEUS abençoe.
    Manoel Siqueira

    indp@bol.com.br

    ResponderExcluir
  12. LISANDRA CARVALHO28 de julho de 2010 10:51

    Que bacana e engraçado também...aqui no blog todos falam que são dizimistas por amor à obra de Deus...E A PROVA DESSE AMOR É O NOSSO JESUS AMADO E NOSSO SALVADOR!Porém , quando estão fora do blog falam sim que têm medo do devorador , e etc de demônios...ACONTECE QUE QUANDO CONHECEMOS REALMENTE CRISTO,N A D A QUE POSSAM DIZER SOBRE DEMÔNIOS ATINGIR A NOSSA VIDA É VERDADE ! ou então não reconhecemos a obra de Jesus e NEGAMOS ELE !Eu não aceito essa história que demônios têm poder sobre minha vida, se esses demônios chegam JESUS é PODEROSO( TODOS TERÃO QUE RECONHECER QUE JESUS É O SENHOR) e os demônios sabem disso, reconhecem isso, e SAEM RASTEJANDO QUANDO EM NOME DE JESUS ISSO LHES É ORDENADO.Não acredito que dízimo pode fazer isso...O SENHOR DE MINHA VIDA É JESUS, e não o dízimo! As coisas velhas passaram, TUDO SE FEZ NOVO! ou não? quem se arrisca a contradizer Jesus?heim?????
    Se eu receber essa informação que é através do dízimo que o devorador é repreendido eu não reconheço o SENHORIO DE JESUS!
    JESUS É O ÚNICO QUE PODE REPREENDER , pena que pessoas muitas vezes submetem-se em ser manipuladas por pastores...e isso afasta muita gente da SALVAÇÃO...LEIAM A BÍBLIA!O ESPÍRITO SANTO NOS REVELA TUDO QUE QUEREMOS SABER...É ELE QUE NOS CONVENCE DE TUDO !!!
    Um grande abraço ao amados irmãos, Lisandra

    ResponderExcluir
  13. Prezada Lisandra, compartilho de sua opinião.
    Deus seja contigo.

    ResponderExcluir
  14. O dízimo é da Lei de Moisés. Nós não somos Israelitas e muito menos vivemos na Lei. O livro de Malaquias foi escrito, não pra nós, mas para Israel "Peso para Israel", e no final do livro "Lembrai-vos da Lei de Moisés para cumprir" observem bém, não vos enganeis com essas coisas, isso não é pra nós e nunca foi, porque somos gentios. Eu estou escrevendo, não para contenda, mas por uma questão de conhecimento e liberdade. Conhecerei a verdade e a verdade vos libertará. Dai a César o que é de César e a Deus o que è de Deus. Deus é espírito. Deus quer, não dinheiro, mas as coisas espirituais, Misericória, Amor e Fé, são as mais importante. silva_silvino@hotmail.com

    ResponderExcluir
  15. A paz do Senhor a todos

    ResponderExcluir
  16. Alessandro li os seus comentarios e cocordo com eles infelismente hoje vejo pastores com seus carroes, vao a igreja 4 vezes por mes so para pregar e recebem salarios enormes quase iqual a deputados em torno de 26 mil,e nos as vezes ganhando pouco somos oprimidos com as doutrinas de que se não der sera amaudicoado, hoje mesmo estou aqui buscando a Deus demadrugada para resolver uma causa que coloquei nas maos de Deus e preciso muito e semeei na casa de Deus com uma oferta e tambem meu dizimo, e sei que vou receber pois dei com amor, estaria eu errado e pedir a ele que me ajude nesta hora pois se eu for a igreja com certeza vao mandar eu dar mais dinheiro senao nao serei ouvido. paz do Senhor

    ResponderExcluir
  17. Muito obrigado pela preciosa visita e comentário, caro Juvencio.
    Deus te abençoe ricamente.

    ResponderExcluir
  18. Parabens!Excelente artigo,pena que alguem possa entender mal!
    Sempre que vou falar sobre o assunto em questão(dizimo e ...)gosto da seguinte frase:Dou Dizimo por que SOU SALVO,e não PARA SER SALVO!assim como as obras o dizimo e as ofertas são resultados da salvação e não a causa da salvação!Mais uma vez parabens que Deus te abençoe a cada dia!
    Há e te prepara para as alfinetadas pois este post pode dar o que falar.
    Soli Deo Gloria

    ResponderExcluir
  19. Que a Paz enteja contigo alessandro, otimo comentario a respeito do assunto(devorador).
    Pois não é facil quanto Deus nos revela a respeito desta doutrina que se tem propagado nas igrejas de Cristo. Pois, luto contra esse tipo de assunto pois, tem se estendido no Corpo e isso não é bom porque mesmo que ainda fosse um demonio ele ainda estaria debaixo de nossos pés através do poder de Deus e autoridade em cristo Jesus que abita na vida do cristão.

    ResponderExcluir
  20. QUEM QUISER ENTENDER MELHOR, TAMBEM A QUESTÃO RELATIVA A DIZIMOS, A MEU VER, DEVE, PROSTAR-SE DIANTE DE DEUS COM CORAÇÃO QUEBRANTADO, PEDIR DISCERNIMENTO DO ESPIRITO SANTO, PORQUE, ESTE CERTAMENTE, DESFAZENDO QUALQUER DÚVIDA, NOS ENSINARÁ E NOS FARA LEMBRAR TODAS AS COISAS QUE PROCEDE DE DEUS, FIQUEM COM DEUS

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pela matéria acima.Realmente,Deus não está nem um pouco interessado em seu dinheiro, mas sim com a intenção de seu coração.
    Hoje qualquer um q ouve um grito no deserto,acha que é UM CHAMADO DE DEUS,e sae por aí comercializando DEUS...

    ResponderExcluir
  22. jan 31.01.2012 acho que fica claro que em deuteronômio 28:01 as bençao decorrentes da obediencia e tambem os castigos a desobediência 28:15 entao sendo assim é melhor obedecer do que sacrificar

    ResponderExcluir
  23. Muito bom e elucidativo texto. Vale ressaltar que antes da Lei, Abrão deu o dizimo a Melquisedeque dos despojos que ele espoliou na guerra e não do que ele já possuia e também não ficou com restante, mas dividiu-o com o rei de Sodoma e aqueles que o auxiliaram na batalha. E, também não consta que ele foi dizimista o resto da vida. O dizimo nos moldes da Lei mosaica era de ALIMENTO e não espécie e o que recebia dizimos não podia usufruir dele fora da área do templo e muito menos adquirir posses, como vemos hoje.

    Deus, por intermédio de Oséias afirmou: "O meu povo perece por falta de conhecimento".

    Hoje, eu não tenho mais medo desses pseudos demônios, pois não sou agricultor, porém, ajudo com o que posso na obra de Deus, com meu dinheiro, meu tempo e meu trabalho.

    ResponderExcluir
  24. Prezado anônimo, perfeita observação. Só faltou se identificar, para que o conheçamos rsrsrs. Deus abençoe sua vida.

    ResponderExcluir
  25. ´pois entao...tive algumas perdas financeiras e a principal,minha familia,depois de uma traiçao,e nao quiz aceitar minha ex esposa de volta... depois disto td disseram-me: td o q vc esta perdendo e o devorador,se vc nao entregar o dizimo ele vai continuar a acabar com td o q vc tem e construir... fiquei com medo e sem entender,mas agora ao ler estes artigos pude ver q as coisas nao sao bem assim...muito obrigado pelas informaçoes,q Deus te abençoe irmao Alessandro Cristian e demais irmaos..paz do Senhor.

    ResponderExcluir
  26. Caro irmão
    Oro a Deus para que Ele reestabeleça tua vida e te dê vitória em todas as situações.
    Fique na Paz.

    ResponderExcluir
  27. Obrigado irmão Alessandro.
    Sou estudante de teologia e na apostila da instituição tem uma parte que fala do devorador, migrador, crises financeiras, etc...
    Não me caiu muito bem, pois eu não gosto da teologia da prosperidade por isso fiquei muito feliz em ler seu artigo. Infelizmente a igreja de Cristo anda se aproveitando muito da ignorância do povo. As igrejas estão com as cultos da vitória super lotados e as escolas dominicais vazias. O povo vai ficando cada vez mais ignorante na fé (e consequentemente ofertando mais...mesmo sem poder). Paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Reginaldo
      Muito bom saber que o texto em apreço lhe foi útil para o esclarecimento de dúvidas. Isso é motivador. Que Deus abençoe sua vida abundantemente.

      Excluir
  28. eu nao dou dizimo e DEUS me abençoa muito!!eu sou ate excluida por isso.nao tô nem aí!oferta eu sempre dou...dizimo nao é para igreja e sim especificamente par a naçao de israel.e JESUS aboliu essa lei.nos estamos na graça do SENHOR JESUS.quem da dizimo esta debaixo da lei, logo esta debaixo de maldiçao...

    ResponderExcluir
  29. Caro irmão Alessandro!
    compartilho plenamente deste teu entendimento. Em toda minha caminhada no evangelho,
    conheci apenas dois pastores que como você entende esta verdade. Antigamente, nas igrejas evangélicas,
    não se via essa ênfase acirrada como se vê hoje em torno do dízimo. Pregar sobre salvação, libertação,
    santificação e comunhão com Cristo nos dias de hoje, não é tão importante como dízimos, campanhas da
    prosperidades e quebra da maldição financeira. Fico feliz em saber que não estou só pensando desta forma.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião...
Que Deus muito o abençoe.